domingo, junho 17

Correcções



Ignoremos por momentos o novo acordo ortográfico e foquemo-nos no básico da língua portuguesa.
Não basta saber que o tracejado a vermelho por baixo das palavras indica que as ditas estão mal escritas. Uma palavra pode estar bem escrita, no sentido em que esta de facto existe, mas estar mal colocada numa frase. E isso poderá ser considerado o moderno analfabetismo.
Há uma notória lacuna na passagem da língua falada para a língua escrita. Talvez este "analfabetismo" tenha a ver com a revolução da internet, com a expansão da linguagem utilizada no meio virtual, onde se quer a palavra pequena como a sardinha, o mais abreviada possível, ignorando pontuação e acentuação, dando importância à fonética em detrimento da etimologia e desrespeitando por completo as normas gramaticais. E este problema tem repercussões graves: as pessoas perdem a capacidade de escrever bem e, não querendo ofender ninguém, passa a ideia de se ser um idiota, ignorante até, incapaz de distinguir um "lembraste" de um "lembras-te".
Ofereço então uma pequena aula de português:

Há / À 
  • Há - conjugação do verbo haver; referente à existência de algo. Por exemplo: "Há um bicho na parede." "Há quanto tempo estás sem comer?"
  • À - contracção do artigo definido feminino singular a com a preposição a ou com o pronome demonstrativo a. Por exemplo: "A tarte está à janela para arrefecer."

Senão / Se não
  • Senão - conjunção alternativa, conjunção adversativa ou ainda preposição; referente ao contrário de algo. Por exemplo: "Come senão vais de castigo. Não obteve nada senão aplausos."
  • Se não - conjunção condicional + advérbio de negação; sinónimo de "caso não". Por exemplo: "Se não te despachas, vou-me embora."
Lembrasse / Lembra-se (vale para todos os outros verbos)
  • Lembrasse - primeira e terceira pessoa do singular do pretérito imperfeito do subjuntivo; lê-se "lembrásse". Por exemplo: "Se se lembrasse de trazer o almoço, não passava fome."
  • Lembra-se - terceira pessoa do singular do presente do indicativo dirigido a alguém; lê-se lêmbra (espaço) se". Por exemplo: "O senhor lembra-se daquela ocasião em que blablabla?"
Vêem / Vêm
  • Vêem - terceira pessoa do plural do presente do indicativo do verbo ver; lêem-se ambos os e's (dica: temos dois olhos = dois e's). Por exemplo: "Eles vêem melhor que ninguém."
  • Vêm - terceira pessoa do plural do presente do indicativo do verbo vir. Por exemplo: "Eles vêm de bicicleta."
Você(s)
  • Por alguma razão, sente-se a necessidade de colocar um ç que não entendo. O c seguido de e ou i lê-se como s ou, se se encontrar entre duas vogais como ss (sim, porque quando um s se encontra entre duas vogais tem de ser duplicado para continuar a valer s, caso contrário será lido como z).
Foda-se
  • Sim, leva hífen, caso contrário ler-se-ia "fodásse".
Agente / A gente
  • Agente - figura de autoridade.
  • A gente - nós. Embora seja um nome colectivo, não deve ser conjugado como a primeira pessoa do plural, mas sim como a terceira do singular.

Com certeza que há muitas mais gralhas que não estão (estam não existe) aqui explicitadas, mas acho que deu para ficar com a ideia. 
Isto não é o meu 'bitch mode engage' mas há coisas que dão comichão debaixo da pele e que precisam de ser expostas.

Um bom resto de fim-de-semana.