quarta-feira, janeiro 2

do sonhar

Engraçado como somos capazes de nos entregar inteiramente a algo tão fugaz.

À noite fechamos os olhos e esperamos que o sono se apodere do nosso corpo e eleve a nossa alma para campos livres. Livres de preconceito. Livres da realidade. Livres.

Entregamos o nosso corpo e alma, sem receio de não nos serem devolvidos. Por vezes ansiamos que não o sejam. Preferimos ficar nesse outro mundo. Nesse nosso outro mundo. Onde controlamos tudo e todos. Onde nos expressamos sem receios nem rejeições.

Engraçado como preferimos a alma ao real. Se calhar não é assim tão engraçado. É lógico. E é natural.