quarta-feira, outubro 19

Tosse


Acho piada à tosse.
Mentira, digo mal. Acho piada às pessoas que tossem.
Nem todas precisam de facto de tossir. Há quem tussa só porque ouviu outro tossir.
Isto pode ser observado principalmente em espaços fechados, com pessoas estranhas entre si. Basta o primeiro tossir, que daí a pouco outro tosse e assim sucessivamente.
Porquê? É a ideia de contágio que temos inerente a nós mesmos. Ouvimos tossir, pensamos logo nos germes que daquela boca saem para o ar limitado que temos à nossa disposição, imaginamos os ditos bicharocos a sobrevoarem pelo espaço onde nos encontramos até nos atingirem.
E aí tossimos.

Quem fala de tosse, fala do que quiser.
Tudo pertencente ao ser humano, ou à vida, se quisermos, é contagioso: ideias, maldade, felicidade, doença, euforia, moda, sono, droga, etc etc etc.

O que me faz pensar: quão limitados e dependentes nós somos.
Por muito que queiramos contrariar, somos levados por essa corrente que alguém começou mas deixou em aberto para outro fechar. O problema é mesmo achar esse outro que saiba como fechar tal ciclo vicioso.

Sem comentários:

Enviar um comentário