terça-feira, fevereiro 21

Machines


É engraçado pensar em como outrora até o nosso melhor amigo não passava de um desconhecido. Melhor amigo é como quem diz amigo, namorado, ex-namorado, ex-amigo, o que for.. E se não existisse aquele contacto inicial? E se eu não me tivesse chegado a essa pessoa e dito olá pela primeira vez? Quem sabe, mais tarde viesse ela falar comigo e viesse a fazer parte da minha vida? Ou então não, talvez sem esse primeiro contacto nervoso, inseguro, ou descontraído nunca teríamos quem temos connosco..

Estas reflexões querem-me fazer acreditar que nada acontece por acaso, que tudo tem o seu propósito e efeito; ninguém que faz, fez, há-de fazer parte da minha vida está presente por acaso. De todos tiro e deixo uma lição, de todos tiro e deixo uma memória. Lições e memórias estas necessárias no decurso do nosso caminho. Mais cedo ou mais tarde iremos dar uso ao que aprendemos, a quem temos.

Já o filme dizia:
"I'd imagine the whole world was one big machine. Machines never come with any extra parts, you know. They always come with the exact amount they need. So I figured if the entire world was one big machine, I couldn't be an extra part. I had to be here for some reason. And that means you have to be here for some reason too." - Hugo

2 comentários: