sexta-feira, julho 9

Ups (também para não ser lido)

Ups mesmo.
Fui extremamente egocêntrica. Li algo que me fez fervilhar de raiva por dentro, assumindo logo que aquilo era destinado a mim. Havia de facto indícios de que aquilo fosse para mim, mas devia ter suspeitado. Não, não era para mim. Era para ela, não era?
Como poderei agora desculpar-me do que fiz? 
É o que dá agir às cegas. 
Fui acreditando que era para mim, que burra!
Não queria meter-me onde não devia.

Talvez até não tenhas visto o "ataque" (até porque está, explicitamente, restrito e reservado a quem de direito) e se não viste estou mais descansada. Mas se realmente viste, então estou muito envergonhada. 
Desculpa não é uma palavra que se adeque nesta situação. Não sei o que dizer, apenas que errei. E é por isso que escrevo, para dizer que errei e sinto-me mal por ter errado em algo tão rónhonho! Mas a verdade é que sim, a mente por vezes não raciocina, deixando os sentimentos falarem mais alto. E dá nisto: m*rda.

Era para ela, não para mim. 
Já sei. 
Já percebi.
Já presumo o que aconteceu.

Digo-te o equivalente de "Desculpa" para esta situação.

*Bea

Sem comentários:

Enviar um comentário