segunda-feira, março 14

Geração à Rasca




Lá por eu ainda não ter dito nada, não quer dizer que seja contra os protestos, as manifestações ou que não estou solidária com as pessoas. Eu estou mesmo muito solidária. Eu só não acho é que esta seja uma geração mais à rasca do que qualquer outra.

Que dirão os pais e tios que tiveram de ir para a guerra, e mesmo os que não tiveram de ir, que tinham sempre aquele terror da possibilidade de irem a cair sobre eles? A minha mãe foi para a faculdade com 16 anos e tinha de apanhar não sei quantos autocarros à meia noite para ir para casa porque naquele tempo nenhum filho tinha permissão para guiar o carro dos pais, e se tivesse, onde andava o dinheiro para a gasolina? Hoje em dia é raro quem não dê umas voltas no carro do pai, nem que seja para ir ao café. O meu pai tinha de ir para a escola de bicicleta e fazia kms todos os dias. Ambos os pais trabalharam para pagar o curso. Nenhum dos dois tinha uma mesada que lhe permitias ir para os copos todos os fins-de-semana. Contavam o dinheiro para saber como pagar rendas e propinas e comidas e mercearias.

Geração à rasca era também a das avós que não puderam estudar e casaram aos 18 anos, tiveram filhos aos 19 e não puderam nunca seguir os seus sonhos profissionais e pessoais.

Pegando num comentário do Francisco José Viegas num debate de sábado à noite, se vocês forem ao Bairro Alto ou à baixa do Porto à noite, a malta jovem anda lá toda. Muito provavelmente, muitos dos que se manifestaram de tarde são os mesmos que estavam lá à noite, a pagar 5 euros por cada vodka limão ou consumos mínimos de 10 euros para entrar nos bares e discotecas; com o carro no parque de estacionamento ou com o número do táxi no telefone para o fim da noite. Estes são os mesmos que tomam o pequeno almoço fora ou vão buscar comida ao take-out.
Isso é que me chateia um bocadinho, vá, porque no tempo dos pais ninguém acabado de tirar o curso ia para a noite todos os fins-de-semana, nem jantar fora, nem eram assinantes da SporTv, mas ninguém nessa altura se considerava à rasca. Provavelmente ganhavam o equivalente aos que os recém-licenciados ganham agora, mas havia muito menos oferta, logo não tinham - porque também não existiam - menos luxos. Luxos que as pessoas de agora tomam como certos e que, na minha opinião, não deviam.

Se eu acho incrivelmente injusto que alguém que tenha tido cabeça para se licenciar e doutorar e que agora trabalhe arduamente ande a ganhar 200€, 500€ e 600€? Acho. Acho que esse têm todo o direito a manifestarem-se, a exigirem, a revoltarem-se, a tudo (e f*da-se se o governo não anda a gozar connosco quando diz que baixa o IVA da m*rda do golfe e os bens essenciais sempre a subir). 

E quando eu disse que não me incluía na chamada geração à rasca foi porque a maioria dos que se auto-intitula à rasca eram os que estavam ali ao lado de tantos outros no Coliseu do Porto, a achar muito bem a canção dos Deolinda, mas deram 25 euros para estar ali.

 *Bea

9 comentários:

  1. BRILHANTE FOFINHA !!! TENHO TANTO ORGULHO DESTA TUA CABECINHA !!! TODOS OS TEUS NEURÓNIOS "SÃO BEM-EMPREGUES" :) :) :) TU VAIS LONGE FILHOTA :) :) :)

    ResponderEliminar
  2. Além de teres valores muito vincados, tens muita atitude. Respeito o teu ponto de vista e a ti enquanto pessoa, principalmente pela coragem de apresentar o teu ponto de vista,que está muito bem bem fundamentado, diga-se de passagem.

    ResponderEliminar
  3. Deolinda tem GANDES SONS tipo FON FON FON ! Mas não dava 25€ pa la tar.

    Amor, o teu ponto de vista até tem a sua lógica, mas tens de pensar que hoje não é só a nossa geração que tá a rasca, tá o país e o mundo inteiro.

    ResponderEliminar
  4. Só uma nota... o governo não baixou o IVA... está a ser pressionado para baixar. Acho que deviam corrigir isso, porque não é verdade. Por favor, leiam as notícias todas, parágrafo a parágrafo e não só as gordas...

    ResponderEliminar
  5. Do Golfe, claro...

    ResponderEliminar
  6. Caro Anónimo, como poderá confirmar, isto não é um texto jornalístico, não serve para ditar os factos reais.. Para mim, quem está sob pressão irá ceder, ainda para mais estado a falar sobre o que se está.
    Atenção que este texto nada mais é que uma opinião um tanto ou quanto embelezada de forma a ser aprazível para o leitor.
    Mas obrigada pelo seu apontamento
    Beatriz

    ResponderEliminar
  7. Bem......quanta lucidez..........
    Parabens !
    Paulo

    ResponderEliminar
  8. Pensamento livre.Parabéns.
    Mário Sampaio

    ResponderEliminar