domingo, outubro 24

da resistência

Vivemos a achar que o difícil é chegar a um destino. O que percebemos poucas vezes é que o difícil é mantermo-nos no caminho. Num caminho que nos leve a todos os sítios a que planeámos ir. Ou sítios que têm, achamos nós, de fazer parte do nosso caminho. Sítios que um dia fazem sentido e no dia seguinte deixam de fazer. Sítios comuns para muitas pessoas e incomuns para outras. Esquecemo-nos muitas vezes que, por vezes, nos desgastamos tanto nesses caminhos que andamos a viver sem pensar que vamos em direcção a um destino. Damos por nós só a sobreviver. E algo tão simples como caminharmos, respirarmos e vivermos, torna-se de repente complicado. Porque há dias em que não apetece caminhar, nem respirar, nem viver. 
Ainda assim conseguimos reparar numa estranha dicotomia. Embora de vez em quando nos custe caminhar, respirar, viver, quanto mais difícil é o nosso caminho, mais completos nos sentimos. Mais fortes ficamos... 
Porque há alguma verdade nisso de "What doesn't kill you makes you stronger". E consoante o caminho que escolhemos, podemos ver eventualmente mais sorrisos do que lágrimas. Mais dias de sol. Menos dias cinzentos.
Fez sentido?


*Bea

Sem comentários:

Enviar um comentário