sábado, agosto 21

Insónias


Estava ainda agora de olhos fechados a tentar dormir, mas sem sucesso.
Ora vira para um lado, ora para o outro, ora abre os olhos e fita o tecto.. 
Já um pouco cansada pensei ser a altura ideal da visita do João Pestana pelo que me ajeitei fechei os olhos e esperei pelo sono.
Tudo o que vi quando fechei os olhos foi um breve vislumbre de ti. Vi-te com a cabeça n meu colo, vi-te enquanto me (per)seguias pelas bancadas, vi-te a olhar para mim, vi-me no teu colo e vi-me com aquele sorriso tão característico de quando olho para ti, penso em ti ou sequer imagino.

Isto não é certamente alucinação! Eu, aliás ninguém alucinaria com tanta precisão. Eu vi a camisa às riscas, o cabelo desalinhado, a barba por fazer, o sorriso enviesado, os olhos cintilantes, e, acima de tudo, eu senti o teu calor.
E eu sentia-te: a tua mão na minha, o teu abraço na minha cintura... Meu Deus! Parecia que estávamos de novo naquela noite de Maio, que nenhum tempo se tinha passado e que nenhuns conflitos se haviam travado. Podemos voltar para lá?

Diz-me que sim.

*Bea

2 comentários:

  1. Ainda bem que te lembras.. e claro que podemos voltar para lá.. é quando quiseres ;)

    ResponderEliminar