domingo, agosto 22

Luz da Cidade


A luz da cidade ofusca o brilho das estrelas, mas não lhes tira o encanto, não senhor!
Naquele sítio onde a vida das ruas quebra, apenas tens a escuridão que te envolve, o som do mar que te aconchega, areia húmida por onde caminhas, talvez com incerteza, talvez com segurança e uma música electrónica um pouco mais distante.

Está escuro, não vês nada a não ser o que queres. Acaba por se tornar estranhamente aliciante, o que te impelir a avançar mais e mais. 
O horizonte? Sim, dá para o distinguir pelas luzes ocasionais de um barco pesqueiro, perdido por aí. Mas ele não te vai ajudar, por isso, porque o procuras?

A imensidade da questão reside no céu estrelado que cobre tudo e que te faz respirar fundo, sentar, olhar e divagar. Afinal também fazes parte do espectáculo! Afinal valeu a pena.
Se olhares com atenção, vês para além das estrelas, da Via Láctea, vês muito mais além. Vês tudo o que te faz existir e o quão insignificante és perante essas (in)constantes.
Se ao menos as luzes da cidade fossem um pouco mais distantes… Poderias ver com mais clareza.
Só que elas não vão sair dali. E então? Vais ficar sob as luzes da cidade perdido? Ou vais-te esquivar delas?

*Bea

1 comentário: