segunda-feira, agosto 8

Serra de Sintra


Quantos segredos estão por lá guardados.. A Serra tem o místico poder de trazer para fora o eu mais verdadeiro de cada um de nós. Deve ser do verde. Deve ser do isolamento. Deve ser de nos afastarmos de tudo o que é rotina, de tudo o que acontece diariamente. Deve ser de, por pouco tempo que seja, termos tempo para nós. Para nos descobrirmos. Não só em termos de resistência física, mas também de como somos capazes de resolver conflitos pessoais, de como estamos connosco mesmos. Na Serra temos tempo para o silêncio e auto-descoberta. Como nos sentimos quando estamos sozinhos com os nossos pensamentos? Em que pensamos sem um telemóvel sempre a vibrar?
Neste mesmo registo, hoje vi uma nova faceta de quem me é muito querido. Sabia que se amavam. Aliás, sei que se amam. Mas nunca vi grandes demonstrações de afecto, pelo menos à minha frente, pelo que cada e qualquer momento se torna delicioso e especial.
Hoje, na Serra de Sintra, mais precisamente no Castelo dos Mouros, ia o avô lá para a frente a desbravar mato nunca antes navegado e eu mais a avó cá atrás a lutar contra a perna cansada, que já tantos anos andou sem nunca reclamar, e agora começava a sentir os efeitos da subida. Larguei a mão da avó por breves instantes para mostrar à minha acompanhante algo que tinha avistado no horizonte, e eis que volto a olhar para o avô. À minha frente vejo-os aos dois, avô e avó de mão dada a avançar naqueles trilhos sinuosos, um a ajudar, outro a estimar a ajuda.
São estes pequenos tesourinhos que ficam gravados na memória.
Avó e Avô, ano após ano, amor sem fim. É de os ver e de os ter como exemplo que sei que o Amor não é algo fictício, algo que inventamos para nos sentirmos num conto de fadas. O conto de fadas é possível, ele existe. Ele ou ela, depende de quem lê, está por aí.
Para eles bastou um bailarico da aldeia para se encontrarem e saberem que pertencem juntos. O Amor está aí ao virar da esquina. Larga o passado e abre a mente para o futuro.
Eu tenho mesmo a meu lado a prova viva de que nada é impossível, tudo tem um final feliz.


*Bea

(ROUBAR É FEIO. NÃO ROUBEM O QUE É MEU POR FAVOR)

Sem comentários:

Enviar um comentário