domingo, agosto 28

Deadgirl (2008)



Pior filme de sempre.
Deadgirl devia enquadrar-se na categoria de Terror, mas a mim cheira-me a Nojo.

A história retrata dois rapazes adolescentes revoltados com o mundo que eles conhecem, incapazes de se adaptar à hierarquia que se impõe no liceu. Um dia baldam-se às aulas e vão passar o dia num manicómio abandonado. Lá dentro, na cave, descobrem uma mulher que não morre presa numa maca com amarras e correntes. E é aqui que a parte de nojo entra. Ela está porca e imunda devido aos anos que deve estar ali presa sem tomar banho e à inevitável passagem do tempo - ela estava a apodrecer. Um dos rapazes não se deixa impressionar com o que vê e resolve aproveitar-se da condição da rapariga para afogar as suas mágoas. Como? Sexo. Não só para ele como para vários dos seus amigos. Usam a rapariga presa para descontar toda a sua frustração sexual. Entretanto a rapariga dos sonhos do outro descobre o que estão a fazer, mas é mordida pela zombie e transforma-se também ela numa imortal.No fim, o rapaz que tentou salvar a zombie é o único que sobrevive. Como a rapariga dos seus sonhos recusou o seu amor, ele vinga-se nela da mesma forma que os outros faziam com a zombie.

Este filme é péssimo. Desaconselho vivamente.
A única coisa mais interessante nele é como ilustra a verdadeira natureza de alguns quando as regras da moral e da ética não se aplicam. Ali estavam no seu próprio espaço. Libertos de entidades de autoridade, de restrições, de "poder" ou de "dever" fazer algo. Ninguém sabia o que faziam ou o que acontecia. Quem sabia não ia contar, por isso podiam gerar todo um universo sem as leis a que estavam sujeitos no dia-a-dia.
A moral e a ética por alguma razão existem e por alguma razão regem a nossa actividade social. Devemos respeitar todos à nossa volta, mortos-vivos ou não.

Completamente enojada,

*Bea

(ROUBAR É FEIO. NÃO ROUBEM O QUE É MEU POR FAVOR)


Sem comentários:

Enviar um comentário